Um lugar para cada coisa e cada coisa no seu lugar

Por: Tônia Amanda Paz dos Santos (a autora permite cópia, desde que citada a fonte e/ou indicado um link para este blog)

Se você precisa organizar sua casa, mas nunca encontra espaço suficiente nos armários, gavetas e prateleiras para todas as miúdezas que acabam ficando espalhadas, a revista Minha Casa  tem a solução para os seus problemas: a sapateira multiuso.

Sabe aquelas sapateiras de nylon ultracoloridas que você encontra em lojinhas de 1,99?  Elas dão um charme todo especial a diferentes ambientes de sua casa. Quer saber como? aí vão algumas dicas:

Organizando o material de trabalho no atelier

Organizando os brinquedos no quarto das crianças

Organizando e dando bossa à área de serviços

Na festinha de aniversário dos pimpolhos

Organizando o banheiro

 
E, para você, que adora plantas, mas não tem muito espaço para tê-las em casa, um tutorial para que você crie um original jardim (ou canteiro – é só trocar as suculentas por mudinhas de ervas e temperos) vertical:
 
Você ira precisar de:
 
– Sapateira de náilon
– Varão de 1,50 m com suportes
– Suculentas (aqui foram usadas nove mudas de espécies variadas)
– 1 kg de terra vegetal
– 1 kg de argila expandida
– Pá de jardinagem
 

Material necessário

 

Passo 1: Colocando o varão na borda superior da sapateira

 
 

Passo 2: Pendurando a sapateira nos suportes da parede

 
 

Passo 3: Colocando a argila expandida em cada repartimento da sapateira

 
 

Passo 4: Colocando a terra vegetal sobre a argila expandida

 

Passo 5: Plantando as mudas das plantas

 
 

Passo 6: Colocando mais terra vegetal

 
 

O resultado não é surpreendente?

 
Imagens disponíveis no site da Revista  Minha Casa
 

Outra versão: Branquinho Básico (Fonte: LifeHacker)

As plantas precisam de água e luz do sol, portanto,  nada de esquecê-las na parede, como se fossem mera decoração, hein?

Você tem outras ideias de uso para essa versátil sapateira? não esqueça de enviar uma foto para que seja colocada aqui no blog. Beijos!

Anúncios

O que elas têm na cabeça?

Por: Tônia Amanda Paz dos Santos (a autora permite cópia, desde que citada a fonte e/ou indicado um link para este blog)

Nós, mulheres, dentre uma porção de outras coisas, adoramos um acessoriozinho, um penduricalhozinho, um balangandãzinho. Pode ser no pescoço, nas orelhas, nos pulsos, tornozelos, dedos….nas unhas ou em tudo, ao mesmo tempo. Se não tomamos cuidado, algumas de nós pode acabar saindo por aí mais enfeitadas que árvore de natal. Mas na cabeça, incrivelmente, não ousamos tanto.

Dizem as fashionistas que os chapéus e casquetes serão tendência em 2012 (será que tem alguma relação com o casamento real que “abalou bangu” em abril passado?). Se a moda realmente vai  pegar, por aqui, eu não sei. Mas, a julgar pelo gosto duvidoso aliada a um desejo imenso de aparecer de algumas de nossas representantes femininas e pelo que já se usa lá fora, já fico imaginando o show de bizarrices que vai vir por aí.  

Top Five dos chapéus mais esquisitos dos últimos tempos:

Princesas Eugene e Beatrice, filhas do príncipe Andrew, da Inglaterra

 

Socialite inglesa Tara Palmer-Tomkinson no casamento de Kate Middleton com o príncipe Willian, da Inglaterra

 

Sarah Jéssica Parker, atriz e ícone nova-iorquina de moda, com sua excêntrica casquete

 

Frequentadora da famosa corrida Ascot Royal, na Inglaterra, usa um "basiquinho" jardim de alfazemas na cabeça

Por aqui, há quem já esteja correndo atrás de inspiração....

P.S.: Celebridades como Lady Gaga, Rihanna e Madonna, reconhecidamente hors concours em termos de excentricidades, ficaram de fora da lista para dar chance a novos rostinhos.

P.S2: De qualquer forma, sou adepta da filosofia que diz que cada um é feliz como bem entender, desde que para isso não tenha de prejudicar ninguém…portanto, esse post é mais uma curiosidade do que uma crítica propriamente dita. Se elas estão felizes com seus chapéus, é o que importa. Os incomodados que olhem para o outro lado…hehe!

A influência das cores na Decoração

Por: Tônia Amanda  Paz dos Santos ( A autora permite cópia, desde que citada a fonte e/ou disponibilizado um link para este blog)

A cor é um elemento expressivo e simbólico de fundamental importância na linguagem visual. Está em tudo que nos rodeia. Inclusive nas nossas residências, ambiente de trabalho etc. Mas o que é a cor?

Do de vista da Física, a cor é uma propriedade que se manifesta pela ação da luz. Entretanto,  a forma como nós a percebemos envolve aspectos subjetivos, simbólicos e culturais.  Evidências científicas sugerem que cada indivíduo reage à cor de forma particular, isso é, cada cor têm um tipo de influência sobre nós. E uma mesma cor pode ter um significado diferente para outras pessoas, dependendo da experiência positiva ou negativa relacionada a cada uma delas.

Na arquitetura e decoração, as cores têm papel importantíssimo. De acordo com o arquiteto Jayme Bernardo¹, “a cor é um dos principais fatores determinantes da forma como nos relacionamos com nosso ambiente e o que ele nos transmite”.  Cores quentes, como amarelo ou vermelho, por exemplo, têm a propriedade de nos deixar alegres. Transmitem energia, força. Por outro lado, as cores frias, como os azuis, acalmam e relaxam. As pessoas  buscam decorar sua residência ou local de trabalho com as cores com as quais se identificam. Pessoas tímidas e introspectivas buscam as cores frias e escuras. Já as pessoas mais expansivas e extrovertidas, preferem as cores claras e quentes. Agora, aquelas que preferem o equilíbrio, utilizam as cores quentes em menor escala, intercalando-a com outras de tons mais frios.

Crédito de imagem: Google Imagens

Existem diferentes tipos de sensações associadas às cores. Essas associações são muito utilizadas como referenciais na decoração de interiores por arquitetos do mundo inteiro. Eis alguns exemplos de sensações positivas e negativas normalmente associadas às cores :

  • Vermelho: Calor; Sensualidade; Paixão; Motivação; Agressividade; Orgulho; Violência; Falta de polidez; Grosseria.
  • Amarelo: Alegria; Descontração; Luz; Otimismo; Prosperidade; Bajulação; Pessimismo; Possessividade.
  • Laranja: Prosperidade; Iniciativa; Espontaneidade; Comunicação; Confiança; Coragem; Exibicionismo; Autoritarismo; Melancolia.
  • Verde: Generosidade; Raciocínio; Cooperação; Harmonia; Proteção; Segurança; Equilíbrio; Justiça; Esperança; Evolução; Avareza; Indiferença; Insegurança; Suspeita; Cautela excessiva.
  • Azul: Quietude; Confiança; Fé;Dever; Devoção; Serenidade; Paz; Confiança; Desleixo; Desconfiança; Dúvida; Cansaço; Apatia; Inércia.
  • Violeta: Respeito próprio; Dignidade; Tolerância; Criação artística; Autoritarismo; Irreflexão.
  • Magenta: Dedicação; Reverência; Gratidão; Comprometimento; Compreensão; Maturidade; Superioridade; Arrogância; Isolamento.
  • Preto: Autoridade; Conservadorismo; Responsabilidade; Poder; Mistério; Desejo Sexual; Penitência; Rebeldia; Luto.
  • Branco: Frescor; Desprendimento; Inocência; Limpeza; Morte.
  • Marrom: Comprometimento; Sensatez; Autoridade; Enraizamneto; Firmeza; Confiança; Auto-Afirmação; Praticidade; Materialismo; Organização; Constância; Insegurança; Instabilidade.

    Imagem disponível no site Portal do São Francisco

Imagem disponível no Blog Cafofo Fino

Magenta: tendência de cor na decoração em 2011 (imagem disponível no site DecoraçãoInteriores.Org)

Imagem disponível no Blog Casa da Ana

Imagem disponível no site CulturaMix

Imagem disponível no site Casa.Com

Imagem disponível no site Casa e Jardim

Escolha a sua cor ideal e aproveite as dicas!

Links para os sites e blogs citados:

 
¹Jayme Bernardo é um Arquiteto formado pela Universidade Federal do Paraná, que atua, há mais de 25 anos, no desenvolvimento de projetos arquitetônicos residenciais e comerciais de alto padrão. Proprietário da empresa Jayme Bernardo Arquitetura.

Verdeamarelou geral

Por: Tônia Amanda Paz dos Santos (a autora permite cópia, desde que citada a fonte e indicado um link para este blog)

Brasileiro que é brasileiro não é patriota apenas em feriado de 7 de setembro ou em Copa do Mundo (pelo menos não deveria ser). Tudo bem que nossos políticos nos causam vergonha, às vezes, e que nossa Seleção não anda nos dando muito motivo de orgulho ultimamente. Mas, apesar de tudo, ainda vivemos naquele país tropical abençoado por Deus, sem guerras, terroristas ou Tsunamis (pelo menos por enquanto).

Claro que temos nossas crises, mas aprendemos, desde cedo, a levantar, sacudir a poeira e dar a volta por cima. É o nosso brazilian way of life cantado e recantado de norte a sul do país. Então, só por hoje, não vou falar de problemas, hoje eu quero paz eu quero amor/ Nada de tristeza nem de dor. Vou verdeamarelar geral:

Crédito de imagem blog Arquitetando Ideias

Nos cacarecos que adoramos juntar….

Pingentes- Patuás: da joalheria Amsterdam Sauer

Na nossa fé e na nossa superstição….

Nossos bosques têm mais vida...

 Nas nossas riquezas e belezas naturais… 

Tatuagem feita pelo tatuador Adriano Marques

Grudado no corpo, feito tatuagem…
 
…Está o nosso imenso amor por este país.
 
Parabéns, ó brasileiros!
Já, com garbo varonil.
Do universo entre as nações
Resplandece a do Brasil;
 (Hino da Independência, Evaristo F. da Veiga)

Curtindo o finalzinho de inverno que ainda me resta

Por: Tônia Amanda Paz dos Santos (a autora permite cópia, desde que citada a fonte e indicado um link para este blog)

Crédito de imagem: Bruno Santos

O inverno está chegando ao fim. Há quem esteja comemorando desde já. Como boa nortista que sou, adoro os dias ensolarados e quentes. No entanto, depois de quase 20 anos morando no sudeste, aprendi a apreciar as noites de frio, ainda mais depois que juntei meus trapinhos com meu “noivorido”.

Pois é, e é por isso que eu estou com esse sentimento ambíguo de contentamento e desolação. Por isso, resolvi dizer adeus ao frio de uma forma especial: aproveitando cada restinho dele. Como? as minhas dicas são simples:

  • Boa música;
  • Cobertor velhinho;
  • Bebida quentinha;
  • E “aquela” companhia do lado (mesmo que a melhor opção, ultimamente, seja você mesmo -a).

E, para quem é apaixonado, dentre outros estilos de música,  por uma classiquinha, como eu, selecionei algumas que certamente estarão embalando essas minhas últimas noites de iverno, aqui no sul de Minas. (Sei que meu norte querido também tem suas cruvianas de vez em quando, ainda mais para quem mora à beira de um rio). Lá vai então:

1ª da lista: Ária¹ “Sull’ aria” (Ópera “Le nozze di Figaro”), de Mozart

Curiosidade: Se você assistiu ao filme “Um sonho de Liberdade, talvez  esse som não lhe pareça estranho. Isso porque, em uma cena clássica do filme , Andy Dufresne (Tim Robbins)  invade a sala de som do presídio e a coloca para tocar, a fim de compartilhar com os seus companheiros de presídio seu sonho de liberdade. Lindo não?

2ª da lista: ária “Un bel di vedremo” ( Ópera “Mme. Butterfly”), de Puccini (na voz de Maria Callas)

Curiosidade: Em 1993, foi lançado o filme M. Butterfly, do diretor David Cronenberg (“A mosca” e “Scanners”). Inspirado na ópera de Puccini, o filme aborda a questão da  inadequação entre corpo e espírito. Conflito sugerido no próprio título:  “Butterfly” (borboleta, em inglês) remete à questão da metamorfose.  Além disso, o “M.” pode se referir tanto a “Madame” como a “Monsieur”. Sacaram? Vale a pena assistir.

3ª da lista: ária “All I ask of you” (Ópera ‘The Phantom of The Opera”). O vídeo abaixo é uma cena do filme, homônimo, de 2004. Indico o filme inteiro. É lindíssimo e perfeito para quem não tem a possibilidade de assistir a um espetáculo como esse.

Curiosidade: Essa ária ficou muito conhecida no Brasil, com a versão “É tudo que se quer”,  interpretada por Emílio Santiago e Verônica Sabino. Lembra-se?

4ª da lista: Czardas, de Vittorio Monti (por Joo Young)

5ª da lista: Ária “Der Hölle Rache”, (Ópera “A Flauta Mágica”, Mozart, na voz de Natalie Dessay)

Curiosidade: Essa ária se tornou muito popular no Brasil depois que a Chevrolet lançou o comercial do Kadett, na década de 90. Quem a interpretava era o nosso contratenor Edson Cordeiro. Lembrou?

Espero que tenham aprovado. Deixei muitas outras, que amo, de fora por causa do espaço. Mas já deu para sentir o clima esquentar…Hehe!  Um ótimo finalzinho de inverno a todos. Aproveitem-no como bem entenderem. Hehe!

¹ Ária:  Uma Ária, no sentido restrito, é qualquer composição musical escrita para um cantor solista. Geralmente  usa-se o termo “Ária” quando está contida dentro de uma obra maior, como uma ópera, por exemplo. Também pode ser destinada a mais de um cantor: para dois cantores, chama-se duo ou dueto; para três, trio ou terceto, para quatro, quarteto e assim sucessivamente.

Pelas janelas…

Por: Tônia Amanda Paz dos Santos (a autora permite cópia, desde que indicada a fonte e o link para este blog)
 
“Pela janela do quarto/Pela janela do carro
Pela tela, pela janela/Quem é ela? Quem é ela?
Eu vejo tudo enquadrado…” (Esquadros)
 
A vida moderna tem feito com que vejamos cada vez mais tudo enquadrado, como cantou Adriana Calcanhoto. Pensando bem, não é de hoje não. As janelas, com suas esquadrias, por exemplo, sempre tiveram essa propriedade de nos enquadrar.
 
Coloniais ou moderninhas, quem é que nunca se deixou ficar – junto a uma janela – vendo a  liberdade de uma estrada e o horizonte? E voando livre em pensamentos e sonhos para longe de onde se está, como na canção do Roberto?
 
Há quem diga que isso é tolice. Que elas servem mesmo é para iluminar e arejar o ambiente. Nada mais. Pois eu acho que quem pensa assim, tá por fora. Corre o risco de acabar como a Carolina, do Chico: “Lá fora, amor, uma rosa morreu, uma festa acabou, nosso barco partiu/ Eu bem que mostrei a ela, o tempo passou na janela e só Carolina não viu”.
 
E é por isso que eu me deixo ficar, muitas vezes, enquadrada, olhando o mundo de quantos ângulos elas me possibilitam. Já experimentou?
 

Crédito de imagem: Leandro Joras (fotógrafo)

 
 “A moça feia debruçou na janela/Pensando que a banda tocava pra ela (A banda, Chico Buarque)
 

Pirenópolis, GO. Crédito de imagem: Clícia Lílian (Turismóloga e minha irmã, que não tem nada de feia...rs)

 “Abre a porta e a janela/E vem ver o sol nascer/ Eu sou um pássaro/Que vivo avoando/Vivo avoando/Sem nunca mais parar
Ai Ai! Ai Ai! Saudade/Não venha me matar” (Preta Pretinha, Moraes Moreira)
Crédito de imagem: Google Imagens
“Da janela lateral/Do quarto de dormir/Vejo uma igreja, um sinal de glória/Vejo um muro branco e um vôo pássaro
Vejo uma grade, um velho sinal” (Paisagem da Janela, Flávio Venturini)
 

Janela de Lavabo (imagem tirada do site Casa da Anita )

“Eu sei a hora que você acorda/Já conheço a sua rotina/Não que esteja de tocaia/Minha janela indiscreta
Bem aqui de frente” (Janela indiscreta, Lulu Santos)
Imagem tirada do site 8 Balls
“Da janela o horizonte/A liberdade de uma estrada eu posso ver/O meu pensamento voa livre em sonhos/
Pra longe de onde estou” (À janela, Roberto Carlos)
 
Bay Window (imagem do blog Minha Casa, Minha Cara)
“Da janela eu vejo a rua/Onde ela caminha todo o dia/Ela passa
E sempre acha graça quando me vê” (Da janela, Nenhum de Nós)
 

Bay Window no quarto (crédito de imagem: site Instructable)

 
“Quando o sol bater/Na janela do teu quarto/Lembra e vê/Que o caminho é um só” (Quando o sol bater na janela do teu quarto, Renato Russo)
 
Links para os Blogs e Sites citados neste post:
 
Leandro Joras

8 balls -Um blog feito a sete maos

Casa da Anita